Dermatologia

Cirurgia Plástica,
Reconstrutiva e Estética
Angiologia e Cirurgia Vascular

 

Angiologia e Cirurgia Vascular


A Angiologia e a Cirurgia Vascular são especialidades médicas que tratam das doenças dos vasos, artérias, veias e linfáticos. A Angiologia encarrega-se do estudo diagnóstico e do tratamento médico, cabendo à Cirurgia Vascular o tratamento cirúrgico. Em Portugal estas duas áreas estão englobadas na mesma especialidade.

Artérias são estruturas que transportam o sangue, rico em O2 e nutrientes a todas as partes do corpo. As alterações que mais as afectam são a obstrução e a dilatação, sendo esta última chamada aneurisma.

A obstrução arterial é causada quase sempre pela arteriosclerose. Esta situação faz parte do processo normal de envelhecimento da parede das artérias mas, alguns factores podem acelerar este processo, designando-se normalmente por factores de risco e entre os quais se incluem:

 Hipertensão
 Tabaco
 Colesterol elevado
 Diabetes
 Obesidade
 Antecedentes familiares

Os sintomas podem não se fazer notar no início do processo mas, à medida que a artéria se vai obstruindo dificultando gradualmente a chegada de sangue aos órgãos ou tecidos a que se destinam, estes sintomas vão aparecendo, dependendo do órgão afectado.

 No caso das artérias dos membros ocorrem problemas circulatórios a que chamamos doença arterial periférica.

 No caso de afectar as artérias do coração o doente pode ter angina ou um enfarte do miocárdio.

 No caso das artérias que irrigam o cérebro, pode ocorrer um acidente vascular cerebral (trombose cerebral)

O diagnóstico precoce permite o tratamento médico ou cirúrgico, nos casos mais graves, podendo geralmente evitar situações extremas.

A dilatação arterial é chamada aneurisma. A arteriosclerose tem um papel importante no seu aparecimento, mas factores genéticos também podem contribuir para o seu desenvolvimento, pelo que devem ser observados e seguidos os familiares dos doentes com aneurismas.

O principal risco dos aneurismas é a sua rotura que pode ocorre quando estes atingem dimensões grandes.
Actualmente os métodos de diagnóstico detectam os aneurismas numa fase precoce, permitindo o seu controlo e tratamento atempado.

As Veias são as estruturas que levam o sangue de volta ao coração, para ser de novo oxigenado.

As principais doenças que as afectam são a dilatação e a obstrução.
Quando uma veia se dilata, adquirindo um aspecto de rosário, chamamos varizes. Quando se obstrui chamamos flebotrombose ou tromboflebite.

Varizes são as veias dilatadas, sendo as dos membros inferiores as geralmente atingidas, porque andar de pé aumenta a pressão a este nível.

No sexo feminino as varizes são muito frequentes, porque existem factores na sua origem que são próprios do sexo feminino. Entre estes as alterações hormonais próprias da gravidez, pré menstruação, menopausa e também as hormonas usadas como terapêutica anticonceptiva e de substituição na menopausa.
Outras causas são a idade, a obesidade, factores genéticos e as profissões que exigem longos períodos de permanência em pé.

Obstrução venosa chamada flebotrombose é o resultado de um coágulo numa veia, que pode ser superficial causando normalmente uma inflamação desta com vermelhidão, calor, dor e uma tumefacção, ou ser numa veia profunda e causar um edema (inchaço). Um coágulo nas veias profundas tem riscos de se deslocar e provocar a obstrução de uma artéria pulmonar (embolia pulmonar,)

A flebotrombose é frequentemente causada por períodos grandes de inactividade como viagens longas de avião ou de carro, imobilização por longos períodos, alguns tipos de tumor, o uso de esterogénios (anticonceptivos, hormonas de substituição).
Por vezes existe uma tendência herdada pela família para a formação destes coágulos.

 Sintomas

Muitos doentes não referem sintomas. Outros referem sensação de peso nas pernas, queixas de cansaço ou calor, aumentando estas com a permanência de longos períodos de tempo em pé. Por vezes as queixas são também de edema (inchaço), caimbras e prurido.
Varizes de longa duração e complicadas podem ser acompanhadas de alterações na pele, consistindo em escurecimento desta junto ao tornozelo, endurecimento e em casos mais graves úlceras.
Raramente as varizes dão dores fortes e quando existe este tipo de queixa dever-se-á investigar outras causas.

 Complicações

As varizes raramente têm complicações. Quando existem, as mais frequentes são as úlceras e a trombose venosa. A úlcera pode ser dolorosa quando infectada e é uma situação que afecta a vida social e incapacita para o trabalho. Normalmente as úlceras são precedidas alguns anos antes de uma pigmentação na pele, pelo que é nessa altura que se deve procurar ajuda médica.
A trombose atinge a circulação profunda e pode provocar uma embolia pulmonar, porém é uma situação rara, devendo no entanto qualquer alteração, nomeadamente dor localizada, endurecimento da variz e inflamação levar o doente a procurar o médico.

 Tratamento das Varizes

Muitas vezes as varizes apenas constituem um problema estético não sendo necessário procedimentos de natureza cirúrgica.

Para um correcto tratamento das varizes é importante, não só um diagnóstico preciso identificando as veias envolvidas, mas também uma análise dos sintomas da doente, por forma a fazer uma separação entre os sintomas provocados pelas varizes e outros que possam não estar com elas relacionados.

Evitar estar de pé por períodos longos, exercício regular, perda de peso, uso de meias elásticas são algumas das medidas que se devem tomar para evitar as varizes. No entanto caso as varizes justifiquem um tratamento com o objectivo de as remover podem ser tratadas pelos métodos seguintes:

Escleroterapia. Neste procedimento injecta-se uma substância na veia que a vai fazer cicatrizar, acabando por desaparecer dentro de poucas semanas.
Este procedimento geralmente não tem complicações, mas nalguns casos pode deixar uma pigmentação local que pode demorar algum tempo a desaparecer.

Laser. Esta nova tecnologia permite tratar pequenas varizes, funcionando pelo envio de feixes de luz (laser) que, ao ser absorvidos pelas varizes, fazem com que estas lentamente vão desaparecendo.
Este procedimento não tem problemas para a saúde mas pode do ponto de vista estético não corresponder às expectativas e também deixar algumas marcas embora raras.

Cirurgia (stripping). A cirurgia consiste na remoção das varizes com anestesia local, loco regional ou geral. Pode ser feita em ambulatório no consultório quando se trata de pequenas varizes, ou, no hospital também em ambulatório ou com algumas horas de internamento, em caso de varizes mais extensas.
A cirurgia não deixa cicatrizes inestéticas porque as incisões são muito pequenas.